A última Música


Sinopse

Aos dezessete anos, Verônica Miller, ou simplesmente Ronnie, vê sua vida virada de cabeça para baixo, quando seus pais se divorciaram e seu pai decide ir morar na praia de Wrightsville, na Carolina do Norte. Três anos depois, ela continua magoada e distante dos pais, particularmente do pai. Entretanto, sua mãe decide que seria melhor para os filhos passarem as férias de verão com ele na Carolina do Norte. O pai de Ronnie, ex-pianista, vive uma vida tranquila na cidade costeira, absorto na criação de uma obra de arte que será a peça central da igreja local. Ressentida e revoltada, Ronnie rejeita toda e qualquer tentativa de aproximação dele e ameaça voltar para Nova York antes do verão acabar. É quando Ronnie conhece Will, o garoto mais popular da cidade, e conforme vai baixando a quarda começa a apaixonar-se profundamente por ele, abrindo-se para uma nova experiência que lhe proporcionará uma imensa felicidade – e dor – jamais sentida. Uma história inesquecível de amor, carinho e compreensão – o primeiro amor, o amadurecimento, a relação entre pais e filhos,o recomeço e o perdão – A ULTIMA MÚSICA demonstra, como só Nicholas Sparks consegue as várias maneiras que o amor é capaz de partir e curar seu coração.

Já ouvi e li muito sobre os livros de Nicholas Sparks e sempre foram opiniões positivas. Inclusive assisti alguns dos filmes baseados nos romances dele e gostei de todos. Porem, nunca tinha lido nenhum livro desse autor. Resolvi acabar com isso de uma vez escolhendo um dos sucessos recentes dele A última Música.


A história desse livro gira em torno da adolescente rebelde Ronnie, e todos os seus problemas de relacionamento e aceitação. A garota só se mete em confusão, tem problemas familiares, e nenhuma idéia do que fazer do futuro, porem,  tudo começa a mudar quando ela é forçada pela mãe a passar as ferias com o pai em uma cidadezinha litorânea. Passar as ferias na praia seria divertido para qualquer um, menos para a Ronnie que não se dá bem com o pai. Se o problema fosse só com o pai dela tudo bem, mas, ela parece que não se dá bem com ninguém, vive de mal humor e se tranca no próprio mundinho dela.   Claro que a separação dos pais é algo ruim para qualquer filho, mas também não é motivo para odiar todo mundo, e o jeito que ela trata o pai é horrível.


Logo no começo eu não gostei da Ronnie achei chata e egoísta, mas, ao longo da história ela tem algumas atitudes que a salvam, por exemplo, mesmo sabendo que a Galadriel tentou fazer ela ser pega por roubo a Ronnie oferece ajuda quando a menina precisa. E, também ela se preocupa com as tartarugas e com o irmão. O romance dela com o will é fofinho. Ele é o bom moço da cidade, é esportista, faz trabalho voluntário, é um bom amigo, e tem um futuro planejado, e a Ronnie  é toda complicada. Eles são super diferentes, mas ficam bem juntos.


O romance não é foco principal do livro, e sim o amadurecimento através do amor e do sofrimento. E é aí que entra o Steve, pai da Ronnie. Ele é o pai que todo mundo gostaria de ter, paciente, amoroso, e que se importa mais com os filhos do que com o seus próprios problemas.  Só que a  Ronnie leva tempo para perceber o pai que tem e o quanto ela pode aprender com ele. E, claro, vocês sabem que se não tiver um drama que nos faça chorar ou refletir, não é   Nicholas Sparks. Então fiquem preparados, por que o final da história  emociona e compensa todo o livro.

Bem, no geral, eu gostei do livro e confesso que chorei no final. Gostei tanto que tive coragem de assistir a adaptação para o cinema com a Hannah Montanna (Miley Cyrus), que, apezar de ter tido muitas modificações em relaçao a história original não é de todo ruim. As criticas do filme vou deixar para outra hora. 

Comentários
1 Comentários

Um comentário:

  1. Eu amei esse livro...
    Eu me acabei de tanto chorar!! Chorei demais...

    Adoro o Nicholas Sparcks.

    Querido Jhon é excelente!!

    Beijos flor!!

    ResponderExcluir

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Total de visualizações de página